quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Ainda há o que reconhecer

Ao longo dos meses e em muitas mensagens que enviamos a diversos interessados, ou que foram publicadas aqui, fizemos alertas, sugestões e denúncias, mas também reclamações sobre a postura de autoridades ou instituições diante de problemas e riscos que pontuamos.

Vejam o conteúdo de algumas das mensagens e e-mail enviados ou publicados em:


25.05.2011   Não nos atemos apenas aos avisos públicos!

07.05.2011   Quanto aos eventos nos EUA e outros países, e sobre o Brasil.


01.05.2011   Mensagem postada para o Min. Integração e por e-mail para CODECIPE, CBMERJ, CEDEC-AL

26.01.2011   Resposta da Ouvidoria do Ministério da Integração
21.01.2011   Manifestação das nossas preocupações com as últimas chuvas!

Antes das centenas de mortes na Região Serrana do Rio:

08.01.2011   Chuvas em São Paulo

04.01.2011   Tragédias evitáveis


Além destas há diversas outras mensagens especialmente no mês de janeiro/2011.

Na mensagem de 25.05 recebemos uma resposta mais efetiva do Ministério da Integração e também louvamos a assinatura de um convênio deste com a Cruz Vermelha Internacional. O trecho abaixo nos foi enviado na ocasião:

Informamos que as informações enviadas são de grande valia para o sistema da
SEDEC, que passa pelo o processo de modernização e muito em breve irá dispor de
equipamentos última geração no que tange todas as ações de defesa civil.

Na mensagem de 21.01 que foi enviada através do portal do Ministério da Integração, frisamos alguns pontos a sereme expostos e que eram importantes:

Estou muito preocupado com os acontecimentos recentes, muitos dos quais previstos e anunciados. Infelizmente é notória a falta de estrutura municipais e adequados sistemas de alertas e monitoramento de áreas de riscos.


Pensando nisto quero sugerir a criação de um Cadastro Nacional de Voluntários (caso não haja iniciativa deste porte, exceto os dos órgãos assistenciais como Cruz Vermelha).  A finalidade seria dispor de informações sobre pessoas e profissionais, que se dispusessem a atuar em situações de calamidade (e que recebessem alguma orientação mínima, caso não fossem profissional de saúde ou áreas afins, engenharia, segurança, etc.), a intenção era de suprir demandas de pessoal em caso de não poder ser atendida por militares e profissionais de carreira.
Vimos que muitas regiões que são afetadas por enchentes e deslizamentos como RJ, ES, PE e AL, e ciclone extratropical ("furacões") no RS e SC, vendavais em SP, etc., dentre outros estados, apresentam muitos locais atingidos que não foram adequadamente monitorados, ou visitados por técnicos para avaliação e prevenção de riscos. Sei que dada a área geográfica das regiões (extensão, acesso, infra-estrutura básica), é difícil o trabalho e que certamente faltam equipes para tanto.



Estimular o conhecimento da população sobre os fatores de riscos, e as situações de risco potencial, bem como das formas de prevenção, é uma alternativa de longo prazo, talvez seja necessário um esforço concentrado dos órgãos e dos governos, mas também de equipes técnicas.
Acreditando nisto quero sugerir a implementação de programas de fomento e intercâmbio, que integrem órgãos de defesa civil, representações municipais e estaduais da adm. pública, centros de pesquisas e universidades, no intuito de ampliar as ações de prevenção e planejamento no sentido de minimizar ocorrências de tragédias como as que vimos. Acredito que já estão sendo postas em práticas medidas que não sejam só paliativas, ou emergenciais. Ainda sobre propostas de sugestões, seria interessante se fosse possível criar equipes técnicas multidisciplinares para visitas aos locais, que poderiam ser encabeçadas  por técnicos experientes, mas compostas também por estudantes concluintes de cursos superiores ou de tecnologia (bolsistas), da área de solos/geologia, urbanismo, engenharia civil e arquitetura, gestão do meio ambiente, geografia, e áreas afins, que atuariam dentro do planejamento dos órgãos de defesa civil, mas num

mutirão de prevenção, principalmente em períodos bem definidos como os da chuvas de início de ano.



Em 04.01 e 08.01 demos informações e dicas sobre prevenção de acidentes relativos ao tema.

Neste momento, temos de reconhecer também as ações que julgamos adequadas e que podem evitar sofrimentos e perdas para muitas pessoas em decorrência de chuvas, inundações e que foram implementadas em alguns momentos e regiões (a exemplo de Petrópolis RJ), com o auxílio da Secretaria Nacional de Defesa Civil ou estão em processo de implantação.

Deixa-nos especialmente feliz, saber que algumas destas ações de prevenção e correção de fatores de riscos inerentes a tragédias naturais (chuvas e inundações), são semelhantes as que nós apresentamos através de e-mail a Secretaria Nacional e outros órgãos.  Vale salientar que as sugestões de ações são uma contribuição sincera, e que temos a convicção que muitas outras pessoas no Brasil fizeram sugestões iguais e semelhantes as nossas, além de existirem modelos de ação como as que são feitas em Niterói por voluntários, e que certamente o pessoal técnico vinculada a Defesa Civil em muitos estados tinham foco nas ações agora adotadas.

Nossa felicidade e satisfação é em face da concretização de ações, que foram e estão sendo implementadas por conta da inspiração do Espírito Santo nas posturas e decisões dos que coordenam as ações de Defesa Civil, assim como junto a todos que interviram e ainda o fazem,  sugeriram ou de alguma forma contribuem para evitar novas tragédias e sofrimento.  Parabéns pela iniciativa de todos, e obrigado Senhor por permitir de alguma forma que nós também fizessemos nossa modesta contribuição.  Temos certeza que é a graça de Deus se manifestando na vida de todos nós, e pedimos para que as ações anunciadas sejam exitosas assim como o princípio para outras medidas necessárias.

O que estamos reconhecendo como ação adequada:

Defesa Civil promove ação de conscientização em áreas de risco - Governo do Rio 15.10

Região do RJ faz simulado de preparação para desastres - Gazeta do Povo

A exemplo de outras ações louváveis implementadas a algum tempo:

Ministério da Integração Nacional implementa ações para minimizar danos e recuperar o local com apoio técnico do IPT - IPT 02.2011

Esperamos que assim possamos estar melhor preparados para o que vem!

Que o nosso Senhor nos ajude a enfrentar os momentos que ainda vão trazer perdas e dor, que não se repita como as tragédias de janeiro.  Pois as chuvas e inundações que caíram em breve não devem ser subestimadas, e em locais onde a vegetação pode agravar os riscos principalmente (em especial em encostas e com presença de bananeiras).

Que Deus nos ajude e continue a inspirar todo aquele que de fato se preocupa com o bem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja responsável em seus comentários!

Flagrantes e opiniões no Foco BRASIL

Estamos elaborando e produzindo um novo instrumento de prestação de serviços de utilidade pública, de divulgação de ações sociais e expressão de opiniões, denúncia e informações.

Trata-se do blog Foco BRASIL que breve estaremos publicando, nele estaremos abordando questões relacionadas com o cotidiano e comportamento social, política, administração pública e povo.
Além de implementar, divulgar e apoiar ações de prestação de serviço de utilidade pública

Nossa abordagem será mais específica e isenta, numa linha de informação clara, que estará integrada as outras propostas, em alguns momentos complementando ações em curso, contudo com um formato diferente do trabalho que fazemos nesta página.

Manteremos um link direto com o novo blog aqui nesta sessão, a previsão é de realizar no mínimo uma publicação semanal através deste.

AGUARDEM!

-------------------------------------

Nossas publicações em português do Brasil, podem ser traduzidas através do Translation ou outro aplicativo.
Loading...