terça-feira, 15 de janeiro de 2013

E se nós podessemos ver o futuro?


E se nós podessemos ver o futuro, o que faríamos?

Certamente diríamos que se algo bom fosse nos acontecer, seria interessante que ocorresse logo, e tudo faríamos para isto, mas se fosse algo ruim, nós faríamos de tudo para evitá-lo, ou postergar ao máximo.

Diríamos que nós mesmos mudaríamos e ao que está a nossa volta, para que o nosso futuro fosse bom e concreto.  Infelizmente não é assim que funciona, nem nós mesmos podemos controlar nossos desejos e focar nos objetivos que queremos como precisamos, e há muitas outras interações relacionadas, entre nós, as outras pessoas e o nosso ambiente.

Poderíamos até sofrer por antecipação, ou descobrir que somos bem menores do que pensamos ser.

Perceberíamos que há uma força maior do que nós, que obedece a leis bem acima da nossa compreensão, e que não está ao nosso serviço nem depende de nós para existir, ou do nosso pensamento que muitas vezes é egocêntrico.

Também poderíamos viver de outra maneira o que não aconteceu ainda, com os olhos no futuro,  e assim nos desconectarmos do presente e até inviabilizar o nosso futuro, bem como nossos relacionamentos, que sem dúvida são alterados pelo descompasso entre vida e possibilidade de vida.   

Certamente nos decepcionaríamos ao conhecer que a liberdade que supomos ter (ao menos como imaginamos), é menor do que de fato temos, há valores e situações bem superiores.  É simples de compreender, ao escolhermos uma opção ou caminho, junto com ela já há toda uma gama de fatos relacionados que se desencadeariam simultaneamente, alterando também nossa vida e dos outros, e até nos distanciando do nosso objetivo potencialmente bom e almejado.

Imagine você que segue por uma rodovia com um local ou destino em mente, num dado momento escolhe uma direção em uma bifurcação ou desvio (por uma circunstância qualquer, obstáculo, a visão do futuro, etc.),  e já muito a frente percebe que ao escolher a nova rota, a jornada ficou mais longa e difícil, em detrimento de sua opção, e que os retornos ou novos desvios para a rota anterior, podem não mais existir, estão muito longe ou até mesmo passamos por eles desapercebido enquanto olhava para o que está muito distante. Sem medo de errar, não é algo desejável!

É no mínimo triste uma situação na qual nossa impotência, incapacidade, limitações, e nossa falta de opções são tão claras! Isto assusta qualquer um que possa sequer pensar na possibilidade de acontecer.  E acontece com mais frequência do que supomos! Se não vemos o futuro, imaginamos, e  por isto rejeitamos com tanta veemência o que pode indicar um futuro diferente do que queremos para nós!  Por medo, por sermos parte, e não como muitos pensam a razão maior de tudo!

A questão é, muitas das coisas que nos ocorrem não dependem apenas de nós, e quantas vezes tentamos evitar algo mas os acontecimentos fluem mesmo assim, com algumas alterações sim, mas terminam por acontecer apesar de nossos esforços.  Porque têm uma dinâmica própria a qual não dominamos, não controlamos e nunca poderemos plenamente fazê-lo.

Tudo está de alguma forma interligado, pessoas, sentimentos, fatos e situações, ambientes, tudo, de uma forma muita mais ampla e complexa do que imaginamos, e cá pra nós não dependem simplesmente de nossas vontades e desejos.  

Por outro lado isto nos dá uma excelente oportunidade de aprendizado, e que nos permite reconhecer a existência de fato desta grande força motora e condutora de nossas vidas, que em último nível esta concentrada em Deus.  A bem da verdade não seria difícil de aplicar a máxima, “de todo mal se extraí um bem”, pois mesmo diante do quadro descrito por nós, e ainda que o futuro nos  reserve dissabores, a simples ideia de o conhecermos previamente, poderia muito bem ser uma dádiva, uma enorme preparação que nos permitiria tratar melhor o “inevitável”, e não tão somente buscar mudá-lo e desencadear outros tantos acontecimentos decorrentes, para isto se faz necessário equilíbrio, e percepção de sua real dimensão em nós e fora de nós.

Diante do inevitável, é preferível seguir o que aconselhou quem de fato conhece o futuro, Jesus, quando disse-nos para nos atermos as preocupações de cada dia, estas já nos bastam, e para crermos em Deus pois este não nos faltará!

Mateus 06:34

Portanto, não se preocupem com o dia de amanhã, para o dia de amanhã terá suas preocupações. Basta a cada dia a própria dificuldade.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja responsável em seus comentários!

Flagrantes e opiniões no Foco BRASIL

Estamos elaborando e produzindo um novo instrumento de prestação de serviços de utilidade pública, de divulgação de ações sociais e expressão de opiniões, denúncia e informações.

Trata-se do blog Foco BRASIL que breve estaremos publicando, nele estaremos abordando questões relacionadas com o cotidiano e comportamento social, política, administração pública e povo.
Além de implementar, divulgar e apoiar ações de prestação de serviço de utilidade pública

Nossa abordagem será mais específica e isenta, numa linha de informação clara, que estará integrada as outras propostas, em alguns momentos complementando ações em curso, contudo com um formato diferente do trabalho que fazemos nesta página.

Manteremos um link direto com o novo blog aqui nesta sessão, a previsão é de realizar no mínimo uma publicação semanal através deste.

AGUARDEM!

-------------------------------------

Nossas publicações em português do Brasil, podem ser traduzidas através do Translation ou outro aplicativo.
Loading...